Três novos modelos mentais para lideranças de vanguarda

A grande maioria das pessoas concorda que precisamos construir empresas humanizadas, com propósito, orientadas à criação de valor para todos os seus públicos e com ênfase na sua resiliência a longo prazo.

Essa aspiração nobre não é apenas um imperativo ético. Trata-se de uma perspectiva inteligente para criar organizações de sucesso em um mundo extremamente volátil em que as empresas precisam ser parte da solução de nossos desafios coletivos.

Avançar rumo a esse ideal elevado parece simples, mas exige uma enorme mudança de paradigma de muitas lideranças.

Três novos modelos mentais são essenciais: pensamento sistêmico sobre a empresa, expectativa positiva sobre as pessoas e crença genuína de que a razão de ser de uma empresa é perseguir um propósito maior.

A primeira mudança de paradigma é evoluir de uma mentalidade do complicado para o complexo. (nesse texto detalho as diferenças entre os dois sistemas)

Uma empresa, assim como todos os sistemas biológicos e sociais, é um sistema complexo.

Ela é uma comunidade humana a ser orientada e moldada continuamente com a finalidade de criar valor sustentável para todos os seus públicos.

Uma empresa não é uma máquina complicada para a qual se deve achar uma “solução” a fim de maximizar o resultado para os acionistas.

É por isso que lideranças com uma mentalidade sistêmica visualizam suas empresas como sistemas vivos, não como um sistema mecânico. Elas sabem que não é possível planejar e controlar os resultados por meio de planos rígidos, nem controlar os comportamentos e as decisões diárias por meio de regras, políticas e processos detalhados.

Essas lideranças compreendem que o desempenho de uma empresa é sobretudo consequência de sua cultura, orientação para propósito e autorregulação entre seus membros. Por isso, sabem que seu papel é criar as condições certas para que as próprias pessoas encontrem maneiras de trabalhar com excelência de modo a alcançar os objetivos da organização.

A segunda mudança de modelo mental é passar a ter uma expectativa positiva sobre as pessoas. A empresa típica do século XX partia de uma premissa extremamente negativa sobre o ser humano. Isto é, que as pessoas são pouco confiáveis eticamente, incapazes de decidir e preguiçosas para trabalhar.

Uma consequência dessa mentalidade é a utilização de uma parafernália de cenouras e chicotes atualmente. A dura realidade é que, na maioria das empresas, os empregados ainda são vistos como crianças inconsequentes que devem ser monitoradas o tempo todo em vez de adultos responsáveis capazes de serem protagonistas de sua atuação.

A natureza do trabalho do século XXI — que envolve criatividade, inovação, construção de relacionamentos, colaboração e empatia — exige que despertemos o melhor dos ser humano. O máximo de seu potencial.

Para isso, é essencial esperar o melhor das pessoas em relação à sua ética, capacidade decisória e automotivação. Inúmeras evidências mostram que a esmagadora maioria das pessoas quer fazer a coisa certa e responde muito positivamente quando suas lideranças transmitem confiança, bom exemplo e humanidade.

A terceira mudança de modelo mental é, de fato, acreditar que a empresa existe não apenas para fazer dinheiro, mas para contribuir para uma causa justa alinhada ao bem comum.

Nada contra o resultado financeiro, mas a ideia aqui é que o lucro não seja o final da história. A ideia é que ele seja uma maneira de financiar a causa da empresa e, assim, aumentar seu impacto positivo na sociedade.

Parece simples, já que todos estão falando de propósito hoje em dia. A verdade, contudo, é que ainda temos uma minoria das lideranças que realmente acredita que o objetivo final de suas empresas é maximizar o propósito em vez dos lucros.

Evoluir para esses três novos modelos mentais é um grande desafio. Em particular, para as lideranças formadas no paradigma mecanicista do século XX.

O prêmio para aqueles que conseguirem realizar essa travessia mental será enorme. Essas lideranças estarão prontas para liderar organizações de excelência no século XXI!

Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira é fundador da Virtuous Company, uma consultoria de alta gestão dedicada a aportar conteúdo de ponta em ética empresarial, governança corporativa, cultura, liderança, diversidade, propósito e futuro do trabalho.

Dr. Di Miceli é autor dos livros “Empresiliente! Prosperando em um Mundo de Incertezas”, “The Virtuous Barrel: How to Transform Corporate Scandals into Good Businesses via Behavioral Ethics” “Ética Empresarial na Prática: Soluções para a Gestão e Governança no Século XXI”, “Governança corporativa: o Essencial para Líderes” e “Governança corporativa no Brasil e no Mundo: Teoria e Prática”.

O autor agradece à Profa. Dra. Angela Donaggio pelos valiosos comentários e sugestões.

--

--

--

Professional speaker, business thinker and founder of Virtuous Company, a top management consultancy on corporate governance, culture, leadership, and purpose.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alexandre Di Miceli

Alexandre Di Miceli

Professional speaker, business thinker and founder of Virtuous Company, a top management consultancy on corporate governance, culture, leadership, and purpose.

More from Medium

Quynh Tran | Humanitarian Affairs Officer, Office for the Coordination of Humanitarian Affairs…

Digitizing actual SoD violation Detection; The role of technology in compliance

So It Is Written Tenita Johnson #SoItIsWritten #TenitaJohnson

Introduction to AnyPrinter